Tradicional Vinho dos Mortos

Data: 18 de Maio
Embarque na Estação Ana Rosa do Metrô, às 18:00 horas.
Desembarque no mesmo local, por volta das 23:30 horas.

Local:
Quinta do Olivardo
São Roque- São Paulo

Incluso:
* Transporte em micro ônibus ou Van Executiva
* Guia Credenciado
* R$20,00 de crédito para consumo na Quinta.
* Seguro Viagem Individual

O jantar será cobrado à parte.
Todos os pratos servem bem 2 pessoas e os valores variam de R$80,00 à R$206,00.

Valor por pessoa: R$150,00 à vista, via boleto bancário ou 2 parcelas de R$80,00 no cartão de crédito .


Visitantes podem participar da abertura das covas para enterrar ou desenterrar as bebidas.
A Quinta do Olivardo, localizada em São Roque/SP, realiza um dos eventos mais tradicionais e inusitados da casa: a Noite do Vinho dos Mortos.
A história portuguesa causa uma certa estranheza e espanto devido ao nome, mas se trata de uma tradição rica, cheia de mistérios, detalhes, aromas e sabores.
O Vinho dos Mortos teve início em Portugal, no ano de 1807, durante a Guerra Peninsular. Após a invasão das tropas francesas em Trás os Montes e Beira Alta, as vilas foram saqueadas. Toda a produção de vinho e os alimentos colhidos no campo eram levados pelos invasores e, para impedir o saque das bebidas, os colonos enterraram suas garrafas entre as pastagens, plantações de uva e debaixo das adegas e fugiram para salvar suas famílias.
Para a surpresa de todos, quando a guerra terminou e eles puderam voltar para casa, os moradores foram desenterrar suas garrafas, imaginando que estariam podres. Porém, não foi o que ocorreu. O enterro das bebidas deixou o vinho ainda mais saboroso, pois a terra possibilitou que as garrafas ficassem em um ambiente perfeito para o enriquecimento do sabor da bebida: escuro e com temperatura constante. Nascia aí a tradição do Vinho dos Mortos.
A Adega e Restaurante Quinta do Olivardo recria esta tradição todo o terceiro sábado do mês, recebendo visitantes dos quatro cantos do Estado.
Ao chegar à casa, que é ambientada com luzes de velas e tochas, os visitantes são convidados a percorrer os caminhos entre as videiras em cortejo, para participar da abertura das covas para enterrar e desenterrar as garrafas.
Os turistas também podem adquirir uma garrafa numerada para enterrar e após seis meses, voltarem para desenterrar e provar o vinho. “É uma noite mágica. Ao som dos tradicionais fados portugueses, interpretados em voz, violão e guitarra portuguesa, revivemos esta rica história. É uma experiência única!”, frisa Olivardo Saqui, proprietário da casa.
Para animar a noite, a fadista Marli Gonçalves prepara um repertório especial, com os principais sucessos da música portuguesa.

Sobre a Quinta do Olivardo
Adega, restaurante, lanchonete e loja de produtos coloniais, vinhos, doces e compotas caseiras, a Quinta do Olivardo é uma atração turística pela boa comida, ambiente acolhedor e também pela paisagem exuberante. Os parreirais ladeando as instalações conferem o clima bucólico das propriedades rurais da Ilha da Madeira, em Portugal, onde o proprietário Olivardo Saqui buscou inspiração para construir um dos locais mais visitados da Estrada do Vinho.
A Quinta do Olivardo recebeu por cinco anos consecutivos (2013, 2014, 2015, 2016 e 2017) a referência “Excelência” concedida pelo Trip Advisor, um guia mundial colaborativo. Nesse guia, os comentários escritos pelos próprios frequentadores pontuam o estabelecimento. O restaurante lidera o ranking das pontuações positivas entre os estabelecimentos do setor na região.
Tradicional cardápio lusitano
Outro destaque da casa é o cardápio tipicamente português, regado dos melhores bacalhaus da região, preparados seguindo as tradicionais receitas portuguesas, com destaque ao Bacalhau a Lagareiro.
Além do peixe, a casa também se destaca pela premiada Espetada Madeirense, o Leitão à Bairrada e os deliciosos bolinhos de bacalhau.
Os doces portugueses são outra atração à parte. A casa recebe turistas de várias regiões do país em busca dos tradicionais Pastéis de Nata, Pastéis de Santa Clara, Rabanada, entre outras delícias.

 

 

Roteiro indicado para pessoas de todas as idades, inclusive crianças. Que tenham disposição, apreciem tradições e comida típica portuguesa.